quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

deixa-me chover

Sussurra-me e faz-me dançar, eu vou emprestar-te as palavras. Hoje não as sei dizer, sei-as sentir. Ouves o meu silêncio? Deixa-me chover.
Só hoje.

Abraça-me.
Sussurra-me.
Ama-me.

Calor. Suor. Silêncio.

2 comentários:

Sérgio Franck disse...

Chova, desague para a sorte boueaberta daquele que te ama. Emita relâmpagos sussurrados e rasgue o céu da boca em amostras. Regue sementes de paz por canteiros do amor alheio e chova.
E quando vier a estiagem de si mesma, acolha os amores brotados nas sombras das castanheiras de seus olhos bonitos demais.

Boa sorte!

poetaeusou . . . disse...

*
é no silencio
dos sussurros,
que as palavras dançam,
os desejos . . . á chuva,
,
conchinhas, deixo,
,
*