domingo, 8 de junho de 2008

Amor de Sal

Olho para ti e choro porque sei que nunca serás meu.
Vens e vais em segredo, és livre e és livre de o ser.
És senhor dos teus desejos e das tuas ambições.
Tocas o meu corpo e despes a minha alma,
elevando todo o meu ser ao mais brilhante horizonte.
Amas-me mas deixas-me despida.
Beijas o meu corpo. Molhas toda a minha pele.
Pegas-me deixas-me sentir-te,
para depois me largares por aí.
Deixa-me ser tua, oh Mar!!

2 comentários:

ju disse...

Gostei muito sei que sempre foste assim sonhadora e sabes escrever como ninguem vives todos os sentidos e vez sempre mais alem adoro te muito es o meu anjo beijo

Santa Fé disse...

Andreia,

sinceros parabéns.

Sem dúvida, o erotismo e a poesia sempre foram um excelente casal, e quem melhor os conjugar é certamente um grande filopoeta.

Mais uma vez, parabéns.

Continue.

Santa Fé