segunda-feira, 16 de junho de 2008

Pretérito mais que perfeito


Vivi um pretérito imperfeito,
ainda assim foi perfeito na sua imperfeição.
Quem sabe um dia,
um pretérito mais que perfeito,
após a imperfeição perfeita deste meu pretérito.

Sei que escondidas entre as perfeitas imperfeições,
guardo imperfeitas perfeições.
E essas bastam para valorizar as pequenas perfeições
que cintilam entre todas as imperfeições.

Se fosse perfeito o meu pretérito,
hoje viveria apenas de imperfeições.
E que presente mais enfadonho,
um presente de noções imperfeitas.

... Assim,
vivendo um imperfeito pretérito,
hoje brindo com o presente às perfeições da vida.

1 comentário:

Santa Fé disse...

(Antes de mais, um "De Nada", é um prazer escrever para si. E tem toda a razão quanto à definição de poesia)

Adorei o jogo de palavras. Demonstra a sua enorme criatividade.

O seu poema (e aqui pode mesmo ter-se a certeza... é um poema!) demonstra mais uma vez a energia empreendida por si, Andreia, no acto de bem filosofar, no acto da escrita sentimental.

E que escrita!

É de apreciar também o seu desejo intenso de viver, de resolver os seus problemas, de ser quem é elevado ao máximo.

Andreia, você é, decididamente, um must. E espero muito sinceramente que assim continue.

Dois Beijos e Um Sorriso

Santa Fé